Página InicialUm pouco sobre mimVeja todos os serviços que lhe ofereçoAlguns artigosEntre em contato

MEUS ARTIGOS

EDUCAÇÃO: UM PROBLEMA ONTEM, HOJE E AMANHÃ?

Se afirmarmos, sob a nossa ótica e conhecimentos que a educação sempre se constituiu um problema, inconscientemente falamos as mesmas palavras de nossos antepassados (pais, avós, bisavós ou trisavós), já que somos descendentes de europeus, em grande parte.

Sabemos que as idéias liberais agitaram o mundo todo nos séculos XVIII e XIX, trazendo à tona fecunda reflexão sobre educação, muito tardiamente chegando até nós, talvez através das emigrações do século passado e geralmente transplantadas naqueles que aqui já viviam sem a devida reflexão a respeito de nossas condições sociais, políticas e econômicas. (continuar lendo)

EDUCAÇÃO: SEMPRE DERROTA?

Refletir educação é refletir sobre o próprio homem.

Refletir sobre o homem em si, não como um objeto dominante ou dominador, significa educá-lo.

E esse tema, educação - liberdade já foi objeto de estudo nos primórdios dos anos 60 pelo verdadeiro e imortal professor brasileiro, Paulo Freire. (continuar lendo)

A EDUCAÇÃO E O TERCEIRO MILÊNIO

Abriram-se as portas ao terceiro milênio, portanto precisamos analisar, como educadores, qual tem sido a nossa principal tarefa diante destes seres do futuro (nossos educandos) que, por motivos psicológicos, sociológicos ou filosóficos, talvez, alheiam-se aos principais objetivos do seu ser, como também convivem alheios aos grandes problemas da sociedade em que estão inseridos.

Assim como Antônio Petrus Rotger, educador espanhol, também faço uso da mesma citação “aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a viver juntos”, para direcionar ao educador sua principal estratégia ou pilares educativos para o próximo século: ensinar a conhecer, ensinar a fazer, ensinar a ser e ensinar a viver juntos nossos educandos, não apenas na escola, mas principalmente na sua família, na sua sociedade. (continuar lendo)

VALORES NO MUNDO DE HOJE

Em todas as partes do mundo, desde antes da Primeira Guerra Mundial, falava-se de decadência, de crise, de angústia. Discrepâncias havia sobre a gravidade, a iminência, as origens, as causas, as soluções, e não sobre a crise. A idéia de crise permaneceu. Não é uma crise local, é de todo o Ocidente; não é de um aspecto da vida, mas está em todos os campos do pensamento.

Karl Manheim, em seu livro Diagnóstico do nosso tempo, diz que a nossa sociedade está enferma. Se estamos em uma sociedade de comunicação, estamos cientes de que um bom remédio para esta enfermidade existe, mas ela prefere perpetuar em sofrimento. (continuar lendo)

SEMPRE GUERREIROS

A história sempre nos tem apresentado que toda vitória conquistada na luta deixa um marco de glória na própria história; também nos mostrou que qualquer vitória buscada no sabor amargo do desejo tirano sangrou os guerreiros e a luta acabou sem verdadeira conquista.

O desejo de o herói apresentar ao povo tirano as suas capacidades de conquista, que se forem justas e humildes, a vitória será dele, leva, às vezes, os tiranos, com pensamentos hipócritas de falsos vencedores, tentar uma luta, que se tentada entremeio a um povo humilde,... (continuar lendo)

A PALAVRA

A palavra é aquela peça rara de museu que, caso você não tratá-la bem, logo desaparecerá.

A leitura é a fórmula mágica para o tratamento da palavra. O bom leitor foi aquele predestinado a medicar sempre a palavra. O assíduo leitor é aquele que a tem sempre em perfeita condição de ser como é. O leitor sábio é aquele que mostra através da palavra lida, a magia e o encanto que reside na sua palavra também... (continuar lendo)

EDUCAÇÃO: SEMPRE DERROTA?

Já naqueles tempos, a educação brasileira encontrava-se em um caos. Diante da situação política e econômica da época, Freire arregaçou as mangas de mero educador universitário e colocou, a convite do prefeito de Pernambuco, Miguel Arraes, as mãos na lama... (continuar lendo)

EDUCAÇÃO EM PRIMEIRO LUGAR

Toda história é um fenômeno e nestes últimos 30 anos, a educação vem desenvolvendo em si este fenômeno, que somente poderá ser avaliado a  algumas décadas futuras.

Nossos educadores não podem ser considerados anarquistas ou subversivos, mas sim, elementos de um grande processo de transformação que está acontecendo na sociedade atual, na qual eles estão inseridos. Não pretendem mais fazer parte daquela categoria de massa, manipulada pelas forças de esquerda e direita. Sua ação nesse processo tem sido registrada através das intensas lutas em prol de uma reeducação dos “poderosos” que, insistentemente preferem ainda aquela educação tradicional... (continuar lendo)

A JUVENTUDE E A EDUCAÇÃO

Tempos atrás, escutei em campanhas políticas palavras que pude guardar  para hoje relacioná-la com a educação brasileira: “A semente é boa, a terra é fértil, mas nem sempre se colhem frutos”. Os ensinamentos produzidos pelos educadores são bons, nossos educandos, quando bem trabalhados, tornam-se férteis, mas poucos frutos esta educação que um dia foi plantada, hoje se está colhendo... (cotinuar lendo)

FINAL DE ANO LETIVO: AVALIAÇÃO ESCOLAR

Nossas escolas, nesses dias, estão fechando suas portas. Alguns educandos vibram com os resultados conquistados durante o ano letivo, uns permanecem estáticos e outros choram, talvez por reconhecer neste instante as irresponsabilidades dos tempos da escola, talvez por falta de vontade de aprender ou talvez até, por “medo” de saldarem suas dúvidas com nossos educadores. (cotinuar lendo)

REFORMAS - JÁ

Reformar a educação tem sido desde o início do século atual, um dos principais objetivos de todos os governantes que já estiveram no poder, desde as secretarias municipais até o Ministério da Educação do país. Mas tal objetivo, principalmente o promissor de campanhas eleitorais, apaga-se sempre após a eleição de governantes. (continuar lendo)

O FALSO GRITO DA INDEPENDÊNCIA

Há três décadas, lembro-me que, como aluna e cidadã brasileira, vibrava quando os tambores e cornetas acordavam minha cidade natal, às 06:00 horas da manhã do dia 07 de setembro.
Aqueles sentimentos de alegria, honra e amor que dominavam o Brasil, na época eram vivenciados pelo exército, autoridades e educação. (continuar lendo)

A PEDAGOGIA NO BRASIL

Todas as vezes que reflito a palavra “educação”, surge-me a figura daquele político educador, Paulo Freire, brasileiro, participante do Movimento de Cultura Popular (MCP) de Recife no início nos anos 60, exilado durante 14 anos no Chile e posteriormente cidadão do mundo. (continuar lendo)

OS PRATOS DA MESA DOS PALÁCIOS

Nesta caminhada pela educação, como mestranda, tivemos a oportunidade de defender o maior educador brasileiro, Paulo Freire, já citado em artigos anteriores, mas jamais esquecido, visto ser sua ótica para a educação, uma das mais humanas de todos os educadores da América Latina, em estudo. (continuar lendo)

SOCIEDADE E EDUCAÇÃO

Quando se fala em educação, geralmente se pensa em criança, mas no Brasil, atualmente, quando se fala em criança, pensa-se logo em abandono, fome, moleques de rua, que pela ineficácia da sociedade onde estão, bem como pela ignorância dos pais transformam-se em ladrões, estelionatários, estrupadores, bandidos, enfim. (continuar lendo)

EDUCAÇÃO SEM CONSCIÊNCIA DE VALORES

Democraticamente, nossa escola ou educação é de todos e para todos. Mas onde estão todos? Parte deste todo se encontra na escola, e parte desta parte não está na escola, somente. Esta parte estudante também é trabalhadora ou mantenedora dos custos diários de sua vivência na família. Estudantes que estudam lutando pela sua sobrevivência. E se trabalham diariamente pela sua sobrevivência, cansados em uma jornada de trabalho, será que conseguem aprender o ensinado? (continuar lendo)